Review: Magi The Labyrinth of Magic (Primeiras Impressões)

Certa vez um amigo meu me disse que não podemos julgar um anime antes de ver seus cinco primeiros episódios, portanto esperei um pouco para montar essa review de primeiras impressões baseada nos seis primeiros episódios desse novo fenômeno de vendas e audiência no Japão: Magi.

HISTÓRIA

Magi nos conta a história de um personagem conhecidíssimo da literatura: Aladdin. Um dia o garoto se depara com um djinn chamado Ugo, que revela coisas sobre o caminho que Aladdin deve seguir já que ele é diferente das outras pessoas por conta de seus poderes ocultos, ele é um Magi. Magi é um mago que escolhe reis e tenta guiá-los para que ambos mantenham a ordem não só de um reino, mas de todo mundo. É um caminho árduo a seguir, mas juntamente com outros personagens das mil e uma noites como Ali Baba e Sinbad, Aladdin nos leva a lugares fascinantes, batalhas maravilhosas e nos ensina lições a todo o momento dentro do mundo de Magi.

EFEITOS VISUAIS / FOTOGRAFIA

A fotografia de Magi é sensacional! Os cenários são muito bem feitos e tem detalhes fascinantes dignos de uma obra adaptada de contos árabes, que possui uma arquitetura única e bem trabalhada, e Magi consegue transmitir isso com perfeição. As cores vivas que pintam o cenário e personagens com sutileza é algo que deve ser admirado, pois remete bem a realeza e ambientação do local e época escolhida para o enredo da série. Toshifumi Akai acertou não somente nesse quesito como também nos character design onde vemos personagens muito bem trabalhados esteticamente sendo muito divertido e agradável de visualizar as cenas, que somados com efeitos majestosos fazem da obra algo de alto nível.

TRILHA SONORA

HOHO, essa trilha sonora está boa demais! Logo no primeiro episódio já gostei de toda a ambientalização criada com aquele gostinho de mil e uma noites dando até aquela sensação de nostalgia de quem viu aquele Aladdin da Disney. Os arranjos feitos, a sonorização, os sons característicos, tudo estava perfeito para apreciar as noites da Arábia e o dia também ♪. Fiquei abismada com tamanha qualidade inicial e que é válido dizer que até o sexto episódio, que foi o último que vi, manteve-se sem nenhum problema. Qual gênio está por trás da trilha sonora? Sim, o cara é um gênio sem exageros, estou falando de Shiro Sagisu, o cara que SÓ fez as trilhas sonoras de Bleach e TODAS AS ANIMAÇÕES DE EVANGELION. O cara só criou as míticas músicas instrumentais do anime e filmes de EVA, SÓ! Teria como a trilha sonora de Magi ser ruim? Impossível!

Aí quando você passa a escutar a opening você se empolga mais ainda porque a banda SID é a responsável pela música V.I.P. Depois dos sucessos de suas performances nas openings de animes como Kuroshitsuji, Bleach e FullMetal Alchemist Brotherhood era mais que esperado que a opening de Magi fosse algo divino e é mesmo. Admito que às vezes demoro para ver o episódio porque quando começa a opening eu quero escutar e ver pelo menos umas 3 vezes antes do episódio começar (LOL).

Por fim, temos uma ending fofinha, pois o grupo que canta o tema Yubi Bouenkyou é Nogizaka46, um grupo rival do famoso ABK48. Para quem gosta desse tipo de música é um prato cheio, eu adoro a performance dessas garotas e eu sei que não sou apenas eu, basta ver as redes sociais ou blogs que noticiam o dia a dia das integrantes. Resumindo, a trilha sonora de Magi até aqui está impecável.

ENREDO ADAPTADO E SEU DESENVOLVIMENTO

Depois de ver somente o segundo episódio do anime, corri para leitores online procurando onde poderia achar o mangá de Magi e li até o capítulo 50, portanto vou conseguir passar minha visão da adaptação somada ao conteúdo que a obra tem. Nos primeiros dois episódios exatamente temos algumas diferenças entre mangá e anime, mas que não interfere de maneira alguma na compreensão do espectador e nem ofende o leitor. A adaptação é excelente, por sinal, pois segue um ritmo gostoso de acompanhar já que consegue expor pontos altos da série como as cenas hilárias de comédia, boa qualidade das lutas, e claro, personagens que são carismáticas ao extremo como o protagonista Aladdin. Todas as informações cruciais são passadas com uma facilidade imensa fazendo você mergulhar com facilidade no que está acontecendo no anime se desligando completamente do que está ao seu redor.

A temática da obra também ajuda bastante, é algo inédito, podemos assim dizer. Um shounen que explora contos árabes onde temos personagens conhecidos e que foram aproveitados de maneira peculiar pelo autor e também bem dirigidos por Koji Masunari. Mas é claro que seriam bem dirigidos, Koji-san foi o diretor de um clássico como R.O.D., eu não esperaria algo abaixo de excelente vindo dele.

A personalidade do protagonista Aladdin que se divide em meio a crises existenciais ao mesmo tempo que bondade e fetiches engraçadíssimos conquistam logo de cara quem assiste. Você se diverte com o pequeno garoto que adora peitos, que quer amigos novos e que busca conhecer um pouco mais sobre si mesmo, todas as partes do Aladdin encantam e movem também o enredo de forma simples deixando vários mistérios no ar que aos poucos são revelados de forma coerente e natural.

Nesse início os personagens Ali Baba e Morgiana também marcam presença formando assim um dos trios mais encantadores de animes. Ali Baba tem aquela personalidade heroica comum, mas que parece guardar um passado confuso e triste instigando todos a quererem saber o que realmente se passa na cabeça do garoto. Morgiana não fica atrás, é uma garota que sofreu muito, e que por conta disso muitas vezes esquece do potencial que tem para crescer já que por diversas vezes suas feridas vem a tona, porém apesar de todos esses obstáculos tem um enorme e envolvente coração fazendo com que todos torçam para que a garota possa se curar aos poucos e encontrar um caminho feliz.

Magi nos leva a refletir em vários momentos através de situações ou personagens, não chega a ser algo como Evangelion e Madoka, BEM LONGE DISSO, entretanto há vários temas contidos na obra de fácil discussão e os acho magnífico. A solidão que as pessoas sentem, o desrespeito ao ser humano que muitas vezes é tratado como um objeto, a cobiça que domina a mente e coração das pessoas ou até mesmo a busca por nós mesmos estão dentro do enredo de Magi e estou falando somente de seis episódios, não se esqueça! Muita coisa ainda vai acontecer e você não pode deixar de acompanhar.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Um shounen que veio de fininho e hoje já tem um grande espaço na indústria japonesa, suas vendas de mangá estão sempre em alta e o anime já chegou a ficar algumas vezes no TOP 10 de audiência no Japão e isso não é fácil de conquistar. Tudo isso é merecido, pois Magi é um ótimo shounen para todas as idades e pessoas distintas que vale a pena ser apreciado seja pela sua animação formidável, sua trilha sonora feita por um gênio, os temas inseridos dentro da série, a temática diferenciada ou as personagens carismáticas. Vale também dizer que há diversos bons seiyuus (ou dubladores, se preferir) emprestando suas vozes aos personagens desse anime, TEM MUITA GENTE BOA MESMO! São muitos bons parâmetros dentro de um único anime para você deixá-lo de lado, então pegue seu tapete voador e vá para o mundo de Magi onde encontrará tesouros tão preciosos quanto joias ou gênios dentro de lâmpadas.

Anúncios

4 comentários sobre “Review: Magi The Labyrinth of Magic (Primeiras Impressões)

  1. Mano qual o nome desse anime, no plano de fundo com as duas garotas com armaduras,uma vermelha e uma azul?
    Obrigado a atenção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s